credit
Night Saturday
Nem sempre conseguimos o que pedimos, nem sempre conquistamos o que sonhamos, mas nem por isso desistimos de lutar para realizar todos nossos sonhos. (...) Quero encontrar um amor que todas as forças sobrenaturais que existem, maior que você e eu, quero encontrar a pessoa que me vê de longe abre aquele sorriso de alegria. (...) Nunca desista dos seus sonhos. Gustavo Salles, Rio de Janeiro.

O ano ja começa me surpreendendo…
Qual é seu gosto? Gosto é igual a nariz, cada um tem o seu, mas não acredito em gostos para gostar de alguém, rs, na boa mesmo.
A eu gosto de loira, magrela, estilosa, altona… e por ai vai, mas eu tenho?? Ta você pode ter seu gosto, mas se você nunca experimentar outros tipos de “gostos”, como vai saber se também não é um gosto seu? Mente pequena, pra mim, aos meus olhos você era mais inteligente e interessante que  isso, mas como eu disse uma vez, vontade da e passa, mesmo que a vontade for imensa, quando conhecemos a fundo uma pessoa, ai sim sabemos como ela é, se vale ou não a pena você “tentar” alguma coisa, um beijo, um abraço, um amor…
Gosto e seus gostos, pessoas e seus pensamentos, bom, gosto é gosto.

Gustavo Salles

1
Se for pra ser, será. Independentemente da quantidade de vírgulas, pontos e parágrafos.
Desconhecido.    (via promessasvazias)

Eu não te obriguei a nada…
Sabe o que isso significou pra mim, mesmo com sua explicação ridícula?

Não te obriguei a nada, não te obriguei a ser meu amigo.

— Assim que aprendemos, tomando na cara.

Gustavo Salles

Garotinho: Você é um anjo?
Eu: O que?
Garotinho: Minha mãe me disse que aqueles que têm os pulsos marcados são anjos.
Eu: Eu não sou um anjo.
Garotinho: É claro que você é. Mamãe disse que só os anjos se cortam, porque eles não gostam de vida na Terra. Eles tentam se matar para retornar ao paraíso. Eles são muito sensíveis à dor do outro e deles mesmo.
Eu: Você sabe, sua mãe é muito sábia.
Garotinho: Obrigado. Ela também é um anjo, mas já voltou para casa.
E eu tentei, eu juro que tentei. Fiz história de amor, citações clichês, fiz discreto e indiscreto, com e sem vergonha, fiz meu gosto e contragosto pra ele gostar de mim. Eu me surrei pra ter o amor dele, engoli toda aquela história de dor, o rancor, vomitei todo o resto de paixão que ainda pendia em mim pra poder amá-lo. Eu juro que estalei os dedos mais do que podia, segurei o sono mais do que devia, fiz discurso de livros de romance, fiz poesia e cartinha de amor. Eu juro que tentei, que lavei minha alma por completo só pra poder ficar dentro do coração dele, mas não dá. Ele não consegue. Eu não consigo. Eu sou grande demais pro pobre colo dele, eu sou intenso demais, sou sempre demais. E o demais sempre acaba sobrando, e as sobras ele joga fora. E eu fico de fora, lá fora, esperando ele pra poder tentar entrar de novo.
Almador  (via invirbus)